24 Jun, 20

Quando vamos comprar um apartamento, muitas dúvidas aparecem e uma delas é sobre a taxa Selic, não é mesmo?! E nos últimos dias não se fala em outra coisa. Mas tem um porquê! Tivemos uma queda histórica da taxa Selic e, por isso, os financiamentos para compra de imóveis prontos e na planta se tornaram algo financeiramente mais viável para os clientes. Mas afinal, o que é a taxa Selic? O que muda no valor dos imóveis devido à sua baixa?

As taxas de transação imobiliária sempre foram motivo de preocupação para muitas pessoas que desejam fazer um financiamento ou tentar a aprovação de um crédito imobiliário, mas com as informações corretas, você vai finalmente entender o porquê a baixa histórica da Selic em 2020 pode mudar e facilitar radicalmente a aprovação de crédito.

Quer saber mais? Confira!

O que é a taxa Selic?

A taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação e de Custódia), ​de acordo com o Banco Central, é o principal instrumento de política monetária utilizado para controlar a inflação. Ela influencia todas as taxas de juros do país, como as taxas de juros dos empréstimos, dos financiamentos e das aplicações financeiras. 

Quando ocorre uma queda da Selic, o consumidor consegue uma aprovação de crédito com mais facilidade. Consequentemente quando a Selic está elevada, a aprovação do mesmo se torna mais difícil.

Por exemplo:

Quando a taxa Selic está em baixa, a aprovação de créditos imobiliários, a facilidade na redução de juros e o fomento a compra de bens de consumo duráveis é mais rentável. Dessa forma, você consegue comprar um bom imóvel, em uma ótima localização com preço agradável e com facilidade na aprovação de um financiamento.


Fonte: https://www.bcb.gov.br/controleinflacao/taxaselic


A taxa Selic e o mercado imobiliário

A taxa Selic e o mercado imobiliário estão em constante comunhão. Podemos entender isso da seguinte maneira: grande parte das pessoas, quando decide comprar um imóvel, necessita procurar um credor para conseguir um financiamento. Se a taxa Selic está em alta, por exemplo, essa pessoa necessitará de maiores condições para arcar com os juros gerados por essa alta. Se a taxa está em baixa, a facilidade de conseguir a aprovação do crédito aumenta, já que o mercado tende a aquecer e estimular o consumo.

Por exemplo:

Vamos supor que a taxa Selic sofra um aumento de 15% para 17%. Consequentemente, a taxa de juros do financiamento será maior, diminuindo a procura por compra de imóveis novos. Caso contrário, a Selic caia de 15% para 13%, a taxa de juros do financiamento será menor e mais favorável a quem pretende comprar um imóvel, seja para morar ou investir.

Nos últimos 10 anos, a taxa Selic teve sua maior alta em 2016, quando atingiu 14,25% ao ano. Foi justamente nesse momento em que o Brasil passava por uma das suas maiores recessões financeiras. Esse índice só havia sido ultrapassado anteriormente em julho de 2006, quando a taxa atingiu 14,75% ao ano. Já a taxa mais baixa, na última década, ocorreu em 2019, fechando no valor de 5,25%, até então considerada a mínima histórica.

A taxa Selic em 2020

Como falamos, se você está procurando um imóvel para comprar e tem contato com um ou mais corretores, com certeza já ouviu algum falando sobre a queda histórica da Selic em 2020. O motivo dessa queda é claro: o surto do novo Covid-19 desacelerou o mercado devido ao cenário de lockdown e quarentena em todo o mundo. Com isso, o sistema financeiro se viu na necessidade da redução de juros e na facilidade de financiamento, numa tentativa de que o consumo, aos poucos, retorne ao normal.

Atingimos, em 2020, a taxa histórica da Selic que atingiu os 2,25%. Para se ter uma noção, a taxa Selic nos últimos 10 anos chegou a atingir os 17% e hoje se torna quase que nula, se comparado a esses mesmos anos anteriores. 



Fonte: G1


Este gráfico, por exemplo, demonstra a queda real da Selic até o mês de maio/2020. Em junho/2020 a taxa Selic atingiu, novamente, uma nova baixa histórica estando estabilizada, até o momento, em 2,25%.

A taxa Selic possibilitou novos financiamentos

A Selic registra a menor taxa desde seu início. Os bancos já reduziram as taxas de juros e, acompanhando a queda da Selic, as instituições financeiras já preparam melhores opções de acordo o perfil do cliente.

O momento é, extremamente, oportuno para quem já tinha uma pretensão de adquirir um imóvel com um excelente custo benefício. As possibilidades se abriram e é muito importante, neste momento, contatar seu gerente para conversar sobre a real possibilidade de conseguir um financiamento agora. As construtoras também estão permitindo uma conversa mais aberta com seus clientes e criando facilidades em suas negociações e formas de pagamento.

É sempre indicado um diálogo aberto com os facilitadores de compra. Serão eles as fontes seguras para repassar informações complexas e que ajustam o seu contrato às suas condições e à sua real necessidade. Encontre um corretor confiável e credenciado, converse com ele e se atente à todas as necessidades e possibilidades para que não haja nenhuma surpresa futura.

Como sempre reforçamos: em todos os cenários, quando a necessidade de comprar um imóvel surge, você precisa analisar todas as taxas, os benefícios e facilidades que são oferecidos, para que a aquisição se encaixe perfeitamente no seu orçamento financeiro mensal. Procure informações precisas e busque ajuda de profissionais especializados para fazer o melhor negócio.

Para mais informações sobre o mercado imobiliário, continue acompanhando o nosso blog semanalmente e se inscreva em nossa newsletter


Categorias: Investimento

Assuntos relacionados

Ver todos
Canal

Investimento

Estou de mudança e agora?

Já está pensando na mudança? Aqui tem tudo que você precisa saber antes e depois de mudar de apartamento.

Canal

Investimento

Como explorar as áreas comuns do seu apartamento?

Como não podemos ir às áreas externas do condomínio, que tal explorar sua casa e criar um lugar divertido para a família?

Canal

Investimento

Como declarar imóveis no imposto de renda 2020?

Nessa época do ano é mais do que comum aparecerem dúvidas quanto ao pagamento e as necessidades da declaração.