19 Nov, 20

Goiás registra o nono maior PIB do Brasil e teve seu maior crescimento nos últimos três anos até 2019, acima da média nacional, segundo dados do Instituto Mauro Borges e do Ministério da Economia. O crescimento total do PIB foi de 2,5%, tendo como destaque o agronegócio (4,1%). Os setores da indústria (2,8%) e de serviços (2,2%) também apresentaram crescimento durante esse período. 


Com localização privilegiada, o estado tem se tornado um centro logístico com a Ferrovia Norte-Sul, Porto Seco, criação de polo aeronáutico privado, expansão da indústria, consolidação de serviços. Além disso, o agronegócio goiano foi o responsável por 80,4% das exportações do estado entre janeiro e outubro deste ano, de acordo com dados do Ministério da Economia, divulgados pelo Comex Stat, e analisados pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Estado de Goiás (Seapa).


Já a indústria goiana apresenta crescimento, mesmo durante o período de pandemia provocado pelo novo coronavírus. De acordo com a Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF), divulgada pelo IBGE, a indústria acumulou crescimento de 1,2%, em agosto, em comparação com julho do mesmo ano. Mesmo com a crise, provocada pelo vírus, o setor chegou ao quarto mês consecutivo de crescimento, acumulando uma alta de 1,8% no ano, bem superior à queda de 8,6% do desempenho nacional no setor. Já em relação à variação dos indicadores da indústria nos últimos 12 meses, Goiás apresenta o segundo melhor desempenho com 2,8%, atrás apenas do Rio de Janeiro (4,1%), segundo dados regionais de 15 estados divulgados pelo PIM-PF. O número também é superior à média nacional, que apresenta queda de 5,7%.

A mineração deve receber, até 2022, cerca de R$ 8 bilhões de investimentos, grande parte deles de grupos internacionais, segundo estimativa feita pela Federação da Indústria do Estado de Goiás (Fieg).

As exportações goianas têm apresentado bom desempenho durante 2020. Segundo dados do Ministério da Economia, divulgados pelo Comex Stat, as exportações goianas chegaram a US$ 6,4 bilhões entre janeiro e setembro deste ano, o que corresponde a 4,15% da participação do estado nas exportações nacionais. Esse número representa um crescimento de 22,7% em comparação com o mesmo período de 2019. O estado apresenta um superávit - quando as exportações são maiores que as importações - de mais de US$ 4 bilhões durante os nove meses do ano, alcançando o 8º lugar no ranking de exportações brasileiras. A soja continua sendo o principal produto exportado pelo estado, representando 39% das vendas, seguida pela carne bovina (12%).

Dados esses que atraíram a atenção da maior rede de negócios do mundo, o World Trade Center, que terá uma sede em Goiânia, a 327º do planeta. A capital será goiana será a segunda cidade brasileira a receber o complexo, que no País só tem unidade em São Paulo. A organização, que começou a grande projeção internacional nos Estados Unidos ainda na década de 1940, marca presença em 90 países.

“O WTC é uma estrutura imobiliária ligada a uma organização de negócios”, define o CEO do WTC no Brasil, Leonardo Figueiró. O lançamento, previsto para dezembro de 2020, trará a solução All In Experience, uma crescente tendência mundial, que permite proporcionar diferentes experiências em um mesmo lugar: Trabalho, lazer, moradia e conveniências.   

Ele revela que há cerca de cinco anos a marca projetava vir para o Estado e acredita que o sucesso de São Paulo deve ser repetido em Goiânia, tornando-se a sede de investimentos e negócios internacionais no Centro-Oeste. “O WTC é sempre procurado por empresas que buscam internacionalizar as suas marcas. Antes da pandemia, recebíamos uma média de duas ou três missões internacionais por mês devido ao forte network mantido com China, Singapura e Japão, por exemplo. E isso deve retornar com a estabilização da pandemia”, destaca Figueiró.

O empreendimento está sendo construído no Setor Marista e ocupará um terreno de quase 10 mil metros quadrados. O WTC Goiânia terá duas torres. Na primeira ficará o WTC Residence, o primeiro do País, que contará com apartamentos com uma Suíte; com duas suítes, com três suítes e três unidades penthouse, na cobertura, com três suítes cada. Já a torre comercial contará com o WTC Stay & Hotel, o WTC Office (salas comerciais) e o WTC Corporate (salas corporativas). 

Na base, o WTC Plaza Mall, WTC Plaza Events e o WTC Square, (uma praça com quase 2,5 mil quadrados conectando todos os ambientes). O WTC Square é uma gentileza urbana: torna o ambiente urbano mais humano, permeando o terreno e conectando as duas ruas opostas aos acessos a todo o complexo 

Além das tecnologias, soluções construtivas e de projeto para atender as funcionalidades da Rede WTC Global, merecem também destaque as iniciativas voltadas para a sustentabilidade presente no empreendimento.  O complexo contará com placas fotovoltaicas para atender a iluminação da área comum, vários sistemas de economia de água e energia, espaços para compostagem e reciclagem de lixo, além de sistemas de facilities como abastecimento de carros e bicicletas elétricos. 

No total, as obras e vendas movimentarão R$ 300 milhões. A incorporação é da Consciente Construtora e Incorporadora, também responsável pela construção,  e da JBJ Incorporações. 

História 

O nome World Trade Center (WTC) ficou eternizado na história com a queda das Torres Gêmeas em 11 de setembro de 2001, quando sofreram ataques terroristas do grupo fundamentalista islâmico Al-Qaeda. O WTC surgiu em Nova Orleans, nos Estados Unidos, com o intuito de fomentar o comércio nacional e, idealizado pelos irmãos Rockefeller (empresários e investidores norte-americanos), fizeram um projeto de revitalização da parte sul de Manhattan para desenvolver e revitalizar a parte sul de Nova York. Em 1973, as famosas Torres Gêmeas passaram a ser parte desse processo de revitalização e se transformaram em um dos cartões postais da cidade norte-americana. Mesmo com o atentado terrorista de 2001, a marca World Trade Center ganha mais força no cenário mundial.

Atualmente, a WTC está presente em 70 unidades na América do Norte, 40 na América do Sul e Central, 88 na Europa, 37 na África e Oriente Médio e 97 na Ásia e Pacífico. No Brasil, Goiânia será a segunda cidade a receber a rede. Na capital paulista, o World Trade Center conta com unidades de negócios que inspiram o empreendimento goiano, como hotel, centro de convenções, o maior shopping de decoração e design da América Latina e salas empresariais que abrigam empresas multinacionais. “A única diferença é que Goiânia será a primeira cidade brasileira que terá um WTC com unidades residenciais”, explica Figueiró.

Quer saber mais sobre o WTC Goiânia e tudo que ele oferece? Acompanhe todas as novidades desse complexo exclusivo pelo site: www.wtcgoiania.com.br.

Categorias: Investimento

Assuntos relacionados

Ver todos
Canal

Investimento

CEF assina contrato de apoio à produção imobiliária

O contrato liberou R$35,5 milhões para finalizar o Gaia Consciente Home, que está com metade de suas obras concluídas.

Canal

Investimento

Quem são os responsáveis pela compra e venda de um imóvel?

Saiba a diferença entre corretor, imobiliária, incorporadora e construtora e entenda o papel e a responsabilidade de cada um.

Canal

Investimento

Construtora congela parcelas do INCC em feirão virtual de imóveis

São diversas opções que podem ser escolhidas e adquiridas de forma totalmente online garantindo melhores negociações